Vacinação em Cães

Após a aplicação de 3 doses de vacina V8 e/ou V10, o cão adoeceu (ou morreu). Por que a vacina não funcionou?

Para a vacina funcionar é necessário basicamente 3 fatores: que animal esteja em ótimo estado de saúde, que a aplicação tenha sido feita de forma correta e que a vacina seja de boa qualidade e esteja bem conservada. Quando há problema com a vacinação, não quer dizer que a falha foi necessariamente da vacina. A vacina é um dos fatores do processo de imunização, porém há vários outros pontos que devem ser considerados, ela nunca pode deve ser avaliada individualmente.

O esquema vacinal só está completo com 3 a 4 doses de vacina, aplicadas nas idades e intervalos corretos, sendo que a proteção máxima em alguns animais somente ocorre aos 4 meses de idade ou mais. Antes disso, infelizmente alguns animais estão passíveis de adoecer

Além disso, é importante destacar que nenhuma vacina é 100% eficaz, seja ela nacional ou importada.

Um cão com mais de 4 meses de idade que nunca foi vacinado precisa tomar as 3 doses de vacina?

Não. Caso ele tenha mais de 4 meses ele pode tomar apenas duas doses da vacina Bio Max (V8) ou Poly 10 (V10), com intervalo de 21 a 30 dias entre elas. Esse procedimento também deve ser tomado caso se adquira um animal que não possui o histórico documentado de vacinação.

Em locais em que reconhecidamente esteja ocorrendo um alto índice de enfermidades como cinomose ou gastroenterite hemorrágica (parvovirose, coronavirose entre outras), recomenda-se substituir a primeira dose pela vacina Tri Baby Vac.

Por que as vacinas Bio Max (V8) e Poly 10 (V10) do Lema têm 2,0mL?

Porque, conforme vários testes realizados, a perda em uma aplicação da vacina após preparo é cerca de 0,25 mL. Assim, se a vacina tem 2,0mL à perda proporcional é a metade, com isso evita-se uma subdosagem na aplicação. Além disso, nossas vacinas possuem alta massa antigênica, necessitando por isso de um volume um pouco maior.

Qual é a idade que se deve iniciar a vacinação dos cães?

Depende de vários fatores. Normalmente, inicia-se a partir das 9 semanas de idade, se os filhotes mamaram o colostro nas primeiras semanas de idade. Caso contrário, a vacinação poderá ser antecipada aos 45 dias de vida aplicando-se de preferência a vacina Tri Baby Vac.

Quais são as principais doenças infecto-contagiosas, que acometem os cães jovens, passíveis de prevenção com o uso de vacinas?

De acordo com as estatísticas as enfermidades mais comuns são a parvovirose e a cinomose.

Vacinas com títulos excessivos são melhores do que as outras?

Sim, especialmente no caso de vacinas aplicadas precocemente, em especial em filhotes de 45 a 60 dias de idade, pois os anticorpos maternos recebidos poderão interferir com os anticorpos vacinais, por isso que neste período a aplicação da Tri Baby é a mais recomendada.

Pode-se vacinar fêmeas gestantes?

Não é aconselhável, pois cadelas gestantes apresentam uma imunodepressão fisiológica devido à alta de hormônios circulantes em seu organismo. Sua resposta à vacina provavelmente não será satisfatória, portanto é melhor deixar passar o período da gestação para fazer a vacina. Não existem relatos de má-formação fetal devido à utilização de vacinas em fêmeas prenhes.

Fêmeas no cio podem ser vacinadas?


Não há contra-indicações específicas da vacinação de fêmeas no cio. No entanto, deve-se lembrar que o cio e a cruza são potencialmente situações de estresse que podem interferir na resposta imunológica produzida pela cadela.

Por que as vacinas podem causar dor no local da aplicação? Deve-se revacinar um cachorro que apresentou dor após a vacinação? E quanto àqueles que apresentaram nódulos e abcessos no local da aplicação?

As reações de dor no local de aplicação das vacinas são consideradas normais, sendo esperadas em cerca de 2 a 3% dos casos. Em relação a vacinas que contém com adjuvante, como por exemplo, a vacina de raiva, pode haver reação inflamatória local e formação de nódulo que tende a desaparecer dentro em poucos dias. Vale ressaltar que a formação de abscessos no local de aplicação das vacinas costuma estar relacionada à contaminação do tecido subcutâneo pela inoculação de bactérias da pele no momento da aplicação da vacina, por isso que a assepsia do local da aplicação é sempre aconselhável.

Se meu cachorro for vacinado, ele pode contrair a doença?


Sim. Nenhuma vacina é garantia de 100% de proteção. Apesar de ser a melhor forma de prevenir contra as doenças, tendo salvado pessoas e animais em todo mundo, a vacinação é apenas uma pequena parte do processo de imunização, ou seja, de proteção. Existem casos de animais que não respondem adequadamente às vacinas e, desse modo, não ficam protegidos das doenças. Isso pode ocorrer em casos de animais que estejam doentes (com parasitoses intestinais, estressados, etc), animais que estejam recebendo medicamentos que causem depressão do sistema imunológico (como cortisona, por exemplo) e, desta forma, não ocorrerá uma boa resposta imunológica à vacina. Existe ainda uma pequena porcentagem de animas que por características próprias pode não responder adequadamente à vacinação.


Quais fatores que influenciam no sucesso ou na falha vacinal?

Fatores que interferem na imunização:

1) relacionados ao hospedeiro:

Imunossupressão; presença de anticorpos maternos; idade; gestação/cio; febre ou baixa temperatura corporal; doença incubada no momento da aplicação; parasitoses e estado nutricional; stress; causas congênitas

2) fatores da vacina:

Vacinas não protegem 100%; cepas diferentes (vacinal e de campo); massa antigênica insuficiente; atenuação demasiada da cepa.

3) erros humanos:

Inativação durante o manejo da vacina; armazenagem inadequada; desinfetantes usados em agulhas ou seringas; exposição ao agente natural da doença na época da vacinação; administração muito freqüente (com menos de 2 semanas de intervalo).